.




.


E que outra coisa é o poema senão um fósforo brevíssimo entre dilúvios?










1 comentário:

Concha disse...

Un beso muy furerte amiga.

Qué maravillosas imágenes y palabras.

Enviar um comentário